Logotipo
Contactos
Rua D. Dinis - Zona Escolar 3880-307 Ovar
256581000

Oferta Formativa

Consulte informações sobre a oferta formativa

Documentos

Consulta e download de documentos e formulários.

Legislação

Consulte a legislação em vigor

Reunião de Rede Regional

 

Na tarde do dia 23 de fevereiro de 2024, realizou-se, através da plataforma Zoom, a Reunião de Rede Regional, promovida pela Equipa Regional do Centro para a Autonomia e Flexibilidade Curricular, com a finalidade de apresentar do Referencial de Inovação Pedagógica nas Escolas.

A sessão foi dinamizada pela Prof. Doutora Flávia Vieira, Catedrática da Universidade do Minho e Coordenadora do grupo de trabalho do Conselho Nacional da Educação (CNE) que elaborou o mesmo Referencial.

O CNE concebeu o referido referencial com o principal propósito de contribuir para uma reflexão crítica sobre a educação e a inovação pedagógica nos contextos escolares. O documento é suportado pela recomendação do CNE n.º 4/2023, de 11 de novembro.

Estiveram presentes mais de 800 participantes, entre os quais se encontraram Diretores de estabelecimentos escolares, Diretores de CFAE, docentes de agrupamentos de escolas e a equipa alargada da DGEstE Centro. O CFIEMO esteve representado por Diretores e professores dos AE associados, pela Representante para a Autonomia e Flexibilidade Curricular, Teresa Coelho Vigário, e pela Diretora do CFIEMO, Catarina Rodrigues.

Destacaram-se a profundidade e clareza do discurso da Prof. Doutora Flávia Vieira sobre os desafios que se colocam à educação.

Capacitação Digital das Escolas - 3.º Ciclo de Eventos Regionais

 

Realizou-se no dia 9 de fevereiro de 2024, na Universidade de Aveiro, o Evento Regional da Direção-Geral da Educação (DGE) organizado pelos Centro de Competência TIC Softciências e ccTICua.

Sob o título “Transformação de Contextos com o Digital: Desafios e Oportunidades”, foi um dos 14 eventos regionais dinamizado no âmbito do Programa de Digitalização para a Escolas pela Direção-Geral da Educação em colaboração com os Centros de Competência TIC (CC TIC) e Centros de Formação de Associação de Escolas (CFAE).

Dirigido às Lideranças das Escolas e aos elementos das Equipas de Desenvolvimento Digital (EDD) e contando com a participação de Embaixadores Digitais (ED), pretendeu fomentar a partilha e a construção de ações de caráter prático de desenvolvimento digital das escolas, no quadro do previsto no Plano de Transição Digital; promover a partilha de experiências e a criação de redes de apoio entre escolas; e acentuar o papel fundamental das ferramentas digitais na recuperação das aprendizagens dos alunos.

Teve como objetivos garantir a sustentabilidade do plano de transição digital; estimular a reflexão conjunta sobre o desenvolvimento digital das escolas, envolvendo as redes DGE-CCTIC-CFAE-ED-EDD; dar visibilidade a práticas de referências das unidades orgânicas.

Constituiu-se como um fórum de reflexão e construção de uma escola inovadora, em que a tecnologia digital deve ser, simultaneamente, a ferramenta de inclusão e a ponte para um futuro melhor. Nesta iniciativa marcaram presença Diretores e docentes das Equipas PADDE dos AE associados ao CFIEMO, a Representante para a Autonomia e Flexibilidade Curricular, Teresa Coelho, o Embaixador Digital, João Ferreira, e a Diretora do CFIEMO, Catarina Rodrigues. 

O ccTICua é coordenado por Isabel Cabrita, investigadora do CIDTFF, e integra também a equipa a investigadora do CIDTFF, Maria José Loureiro. Faz também parte da equipa do ccTICua a investigadora Susana Senos, que colabora na equipa de vários projetos do CIDTFF, nomeadamente o AILIT, o DiCE.Lang e o LoCALL.

DIVULGAÇÃO

312

Como desenhar um território? - Oficina de Criação Teatral

ACD

 

6.0 horas

 

Presencial

 

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Cine Teatro de Estarreja

A construção de um ambiente de aprendizagem inclusivo requer uma abordagem holística, que vá além da transmissão de conhecimento para abraçar a diversidade de experiências, habilidades e perspetivas dos indivíduos. Ao cultivar uma mentalidade de observação, escuta ativa e intervenção estratégica, esta ação ...
Ler mais Ler menos

Ref. 171T1 12.23/24 Inscrições abertas até 29-02-2024 INSCREVER-ME

Registo de acreditação: ACD 12.23/24

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 01-03-2024

Fim: 01-03-2024

Regime: Presencial

Local: Cine Teatro de Estarreja

Formador

Mónica Biscaia Araújo

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Enquadramento

A construção de um ambiente de aprendizagem inclusivo requer uma abordagem holística, que vá além da transmissão de conhecimento para abraçar a diversidade de experiências, habilidades e perspetivas dos indivíduos. Ao cultivar uma mentalidade de observação, escuta ativa e intervenção estratégica, esta ação de formação capacita os formandos a criar um espaço de ensino acolhedor e estimulante para todos os alunos, independentemente das suas necessidades individuais. O enfatizar da dimensão criativa e poética da prática educativa encoraja a exploração de novas formas de expressão e comunicação, adaptadas aos diferentes formatos de aprender e de interagir. Esta abordagem não só enriquece o processo de ensino-aprendizagem, mas também promove a autoexpressão, a confiança e a autoestima dos alunos, especialmente aqueles com deficiência ou necessidades especiais. A inclusão de profissionais, amadores, estudantes e interessados em Artes Cénicas, com e sem deficiência e surdos, reflete o compromisso com uma educação verdadeiramente inclusiva e diversificada. Ao proporcionar um espaço de aprendizagem aberto e acessível a todos, a oficina promove uma cultura de respeito, aceitação e colaboração, fundamentais para o desenvolvimento integral de cada aluno e para a construção de uma sociedade mais justa e inclusiva. Ao integrar princípios de diálogo, diversidade e criatividade, a ação de formação visa capacitar os formandos a serem agentes de mudança positiva nas suas comunidades, contribuindo para o desenvolvimento de uma sociedade mais inclusiva e solidária.

Objetivos

Objetivos a atingir Reconhecer o Conceito de Acesso Cultural e Práticas Artísticas Inclusivas: Compreender o significado de acesso cultural e a importância de práticas artísticas inclusivas para garantir que todos os indivíduos tenham a oportunidade de participar e usufruir das atividades culturais e artísticas, independentemente das suas características ou condições pessoais. Consciencialização do Conceito de Diversidade: Sensibilizar os participantes para a diversidade humana em todas as suas formas, incluindo diferenças de género, etnia, cultura, idade, capacidade física e mental, entre outras. Destacar a importância de reconhecer e respeitar essa diversidade na sociedade e na prática artística. Aquisição de Processos Metodológicos Inclusivos, no Exercício da Prática Criativa através do Teatro: Desenvolver competências e técnicas metodológicas que permitam aos participantes criar e conduzir atividades teatrais de forma inclusiva, adaptadas às necessidades e características individuais dos participantes. Promover o acesso equitativo à prática teatral, incentivando a participação ativa de todos. Reconhecimento da Diversidade como Motor Criativo: Explorar como a diversidade pode ser uma fonte de inspiração e criatividade no contexto teatral. Reconhecer e valorizar as diferentes perspetivas, experiências e identidades dos participantes como elementos enriquecedores para a criação artística. Fortalecimento do Sentido de Interajuda, Cooperação e Representatividade: Promover a colaboração, solidariedade e inclusão entre os participantes, fortalecendo o sentido de interajuda e cooperação no contexto teatral. Incentivar a representatividade e a valorização das diferentes identidades culturais e individuais no processo criativo. Valorização da Identidade e da Cultura Própria: Estimular a valorização da identidade pessoal e cultural dos participantes, promovendo o orgulho e a autoestima em relação às suas próprias origens e experiências. Reconhecer e celebrar a diversidade como um elemento fundamental da riqueza cultural e humana. Explorar Estratégias de Intervenção e Transformação: Explorar estratégias eficazes de intervenção e transformação do espaço comum, com base numa abordagem reflexiva e colaborativa, visando promover um ambiente de aprendizagem acolhedor, estimulante e inclusivo para todos os alunos.

Conteúdos

Conteúdos da ação Redes Formais e Informais (Territórios):Exploração das redes formais e informais presentes nos territórios culturais e artísticos, incluindo parcerias institucionais, colaborações comunitárias e redes de apoio entre artistas e agentes culturais. O Nosso Espaço Público e os Nossos Públicos (Diversidade): Análise do papel do espaço público na promoção da diversidade cultural e artística, assim como a importância de compreender e responder às necessidades dos diferentes públicos, incluindo grupos minoritários e comunidades marginalizadas. Sistemas de Cooperação e Sinergias Culturais e Artísticas (Mediação):Investigação dos sistemas de cooperação e sinergias entre diferentes agentes culturais e artísticos, destacando a importância da mediação e da colaboração para promover a circulação de ideias, recursos e práticas culturais. A Criação Artística como Afirmação de uma Identidade Coletiva (Felicidade):Reflexão sobre o papel da criação artística na afirmação e expressão de identidades coletivas, explorando como a arte pode contribuir para o fortalecimento do sentido de pertença, coesão social e bem-estar emocional das comunidades. Boas Práticas e Metodologias de Criação Artística Participativa (Criação): Apresentação e análise de boas práticas e metodologias de criação artística participativa, incluindo técnicas de envolvimento do público, cocriação e participação comunitária, visando promover uma abordagem colaborativa e inclusiva na prática artística.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 28-02-2024 (Quarta-feira) 10:00 - 13:00 3:00 Presencial
2 28-02-2024 (Quarta-feira) 14:00 - 17:00 3:00 Presencial

INSCREVER-ME
308

Educando para os media com o contributo da biblioteca escolar

ACD

 

3.0 horas

 

e-learning

 

Educadores de Infância; Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo; Professores da Educação Especial;Professores do 3º Ciclo/Ensino Secundário;

Online

Se o desenvolvimento vertiginoso da tecnologia, das inúmeras plataformas e das redes sociais possibilitaram uma democratização sem precedentes da informação, permitiram a conexão e comunicação de todos com todos, a verdade é que também acentuaram algumas tendências problemáticas, nomeadamente a mistura de ...
Ler mais Ler menos

Ref. 168T1 11.23/24 Inscrições abertas até 05-03-2024 INSCREVER-ME

Registo de acreditação: ACD 11.23/24

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 06-03-2024

Fim: 06-03-2024

Regime: e-learning

Local: Online

Formador

Isabel Feliz Andrade Nina

Destinatários

Educadores de Infância; Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo; Professores da Educação Especial;Professores do 3º Ciclo/Ensino Secundário;

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância; Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo; Professores da Educação Especial;Professores do 3º Ciclo/Ensino Secundário;. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Enquadramento

Se o desenvolvimento vertiginoso da tecnologia, das inúmeras plataformas e das redes sociais possibilitaram uma democratização sem precedentes da informação, permitiram a conexão e comunicação de todos com todos, a verdade é que também acentuaram algumas tendências problemáticas, nomeadamente a mistura de factos com opiniões e de notícias com entretenimento. Urge, pois, consciencializar para o papel dos media na construção da realidade social e das opiniões, para as questões éticas que lhe estão associadas, informar para o seu uso esclarecido e crítico, promover o pensamento crítico e fomentar a participação ativa e responsável, condição essencial de autonomia e de cidadania. Partindo de dois referenciais, o Aprender com a biblioteca Escolar da RBE e o Referencial de Educação para os Media da DGE| Versão atualizada e partilhando recursos e práticas, equacionar-se-ão estratégias que estimulem a voz dos alunos, quer através da produção escrita de géneros jornalísticos, quer de outros meios, tais como o vídeo, a fotografia, o podcast, a música, entre outros. É neste âmbito que se insere a presente proposta formativa, equacionada pela Rede Concelhia de Bibliotecas de Estarreja e formalizada pelo serviço de bibliotecas do AE de Pardilhó, em articulação com a coordenação interconcelhia da Rede de Bibliotecas Escolares.

Objetivos

- Explicitar conceitos, princípios e abordagens no âmbito da Educação para os Media (EpM). - Apoiar o currículo, nomeadamente a área de Cidadania e de Desenvolvimento, considerando a sua relação intrínseca com a da Educação para os Media. - Promover o trabalho colaborativo entre a sala de aula e a biblioteca escolar, tendo por base o referencial Aprender com a biblioteca escolar e o Referencial de Educação para os Media| Versão atualizada. - Partilhar recursos e práticas. - Promover o olhar/pensamento crítico, pilar para uma cidadania informada, ativa e responsável. - Promover a voz aos alunos, através da produção escrita de géneros jornalísticos ou de outras formas.

Conteúdos

- Conceitos: cidadania, media, literacia mediática, Educação para os Media; - Referenciais: Aprender com a biblioteca escolar e Referencial de Educação para os Media| Versão atualizada; - Princípios da Educação para os Media; - Abordagens de Educação para os Media; - Usos e práticas mediáticas; - Oportunidades de promoção da EpM.

Bibliografia

Pereira, S.; Pinto, M.; Madureira, J.; Pombo, T. & Guedes, M. (2014). Referencial de Educação para os Media para a Educação Pré-Escolar, o Ensino Básico e o Ensino Secundário. Ministério da Educação Pereira, S.; Pinto, M. & Moura, P. (2015). Níveis de Literacia Mediática: Estudo Exploratório com Jovens do 12.º ano. Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade. Pereira, S. (2021). Crianças, Jovens e Media na Era Digital Consumidores e Produtores?. Editora/Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade. https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/73763/3/ Pereira, S.& Toscano, M. (2021). Literacia mediática nas bibliotecas escolares. https://www.rbe.mec.pt/np4/%7B$clientServletPath%7D/?newsId=867&fileName=Estudo_MILObs_RBE1.pdf Pereira, S., Pinto, M.,& Madureira, E.. (2023). Referencial de Educação para os Media. Ministério da Educação. Ministério da Educação, Rede de Bibliotecas Escolares. (2017). Aprender com a biblioteca Escolar. Referencial de aprendizagens associadas ao trabalho das bibliotecas escolares na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário. https://www.rbe.mec.pt/np4/AcBE.html?newsId=99&fileName=referencial_2017.pdf


Observações

https://erte.dge.mec.pt/educacao-para-os-media

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 06-03-2024 (Quarta-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Online síncrona

INSCREVER-ME

Cofinanciado por:

         

Agrupamentos Associados: